segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Entrelinhas, por Suellen Mendes

Olá, meus lindinhos do STC! Como estão?

Nossa! Que saudades! Já faz um tempinho que não nos falamos, não é mesmo? Neste meio tempo, muita coisa aconteceu. Participei de várias Antologias, publiquei meus livros e fechei contrato com três maravilhosas editoras: Independente, Luva e Darda. Não vou conseguir contar tudo de uma vez só, pois – definitivamente – é muito para assimilar. Então vamos por partes, ok?

Inicialmente, que tal conhecerem um pouquinho do meu trabalho como poetisa? Isso mesmo, poetisa! No dia 07 de maio deste ano, pude apresentar esse meu outro lado por meio de um evento que ocorreu no Teatro Gazeta, em São Paulo. Foi maravilhoso poder participar desse grandioso projeto que conta com a participação de 1500 autores nacionais. A Antologia está dividida em três Tomos, por ordem alfabética, e pode ser adquirida na página da Chiado Editora.

Olhem, estas são algumas fotos tiradas no dia do evento:


 
Comigo estão o meu pai (Arthur), o nosso lindinho Leandro Salgentelli (gente, tô com moral; o boy passou quase três horas no metrô só para me prestigiar!😱😱😱) e o CEO da Chiado – e Antólogo responsável – Gonçalo Martins.


Mas, agora, que tal conhecer Antítese da Alma? O poema que escrevi e que se encontra no Tomo III da Coleção.

Antítese da Alma
(Suellen Mendes – Antologia Poética Além da Terra, Além do Céu / Chiado Editora)

Além do tempo, impiedoso e não contido;
Além da distância, inimiga dos amantes;
Além das palavras, sussurradas em urros não ditos;
Além das promessas, por empecilhos não cumpridas;
Além do amor, que preenche os espaços vazios;
Além do ódio, que subjuga na contrariedade;
Além da saudade, nos momentos em que não estás comigo;
Além da necessidade, por querer estar contigo;
Além da verdade, que existe no que sinto;
Além das noites, quando me perco vagando em uma deserta escuridão...

É quando me encontro
E desencontro.
É quando te vejo
Que és o meu paradoxo,
As antíteses de minhas imperfeições.

Não importa o tempo,
A distância,
Ou o turbilhão de emoções;
Porque, sempre serás
Aquele que me faz voar
Ainda com os pés no chão.

***

E então, gostaram? Espero que sim. Deixem seus comentários para que possamos trocar informações.

Como disse lá no início, estava com saudades e espero reencontrá-los na próxima semana.

Beijinhos, meus amores!😘😘